BUSCA INTERNA NO SITE
BUSCA JURIDICA FILTRADA
ASSINE SUA NEWSLETTER.
FIQUE ATUALIZADO

Fórum Jurídico apoia:
2009 Copyright Forumjuridico. Todos os direitos reservados.
Indique este site





Notícias Justiça
Assine está newsletter do forumjuridico.com.br
Governo coloca em consulta pública marco legal para internet

"O governo federal colocou nesta quinta-feira em consulta pública o projeto para regulamentação do marco civil para a internet no Brasil. Ao contrário de outras matérias colocadas para consulta pública, desta vez não haverá um texto base que receberá contribuições, mas apenas pequenos textos que apresentarão o estado atual das discussões em outros países do mundo."

Em função das sugestões, o Ministério da Justiça vai compor o projeto de lei a ser enviado ao Congresso. As opiniões podem ser acompanhadas no site http://culturadigital.br/marcocivil/ O ministro, Tarso Genro, disse que o governo não trabalha com nenhuma espera de conteúdo para o projeto, "porque isso poderia parecer uma indução" vinda do governo. - Estamos instituindo uma metodologia de consulta à sociedade que depois será apresentada através de um projeto de lei ao Congresso Nacional para que esses marcos sejam marcos da liberdade e da democracia e da expansão da liberdade e da democracia dentro da internet - disse Genro, que participou da cerimônia de lançamento do projeto, na sede da Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio. - E isso não significa qualquer tipo de contemplação com o delito, ou de uso da internet para fins ilegais. Significa ampliar o potencial de liberdade, de informação, de horizontalidade, de transmissão da cultura através da internet - acrescentou. Diz Ronaldo Lemos, coordenador do Centro de Tecnologia e Sociedade da FGV Direito/Rio, que a expectativa dos idealizadores é que o modelo de consulta à sociedade anterior à redação do projeto de lei seja adotado em outras matérias caso o novo marco civil da internet seja bem-sucedido. Há cerca de um ano o projeto nasceu , quando o Ministério da Justiça se juntou à FGV desenvolvendo o marco regulatório para a internet. - Há cerca de seis meses, fechamos a ideia da consulta pública anterior à redação dos projetos - explicou Lemos. O objetivo é deixar clara a responsabilidade civil de cada integrante da internet, de forma a evitar a falta de regulação vigente, na qual a Justiça tem decidido divergências surgidas sem o apoio de uma legislação específica. - A questão hoje é que isso não é regulado e esse é o pior dos mundos, péssimo para investimentos e para inovação, porque não tem como quantificar o limite da responsabilidade. Hoje a situação é caótica, com decisões divergentes - criticou. Os textos básicos disponíveis na internet que receberão as contribuições tem como eixos fundamentais os direitos individuais, a responsabilidade civil dos atores e a neutralidade da rede. Cada um desses tópicos terá subtópicos com a explicação sobre o atual estado daquela discussão em outros países. - O que vai ser levado em consideração, e isso está muito claro nos termos de uso, é a discussão qualificada - destacou Lemos, lembrando que o Ministério da Justiça, quando redigir o texto, excluirá pontos que possam causar dúvidas constitucionais. - Buscamos contribuições longas, que tenham sido bem pensadas. É isso que vai ser levado em conta, mas não vamos filtrar. É tudo absolutamente aberto - acrescentou, lembrando que a projeção é de que o Congresso receba o projeto de lei em cerca de 100 dias.


voltar